Desventuras insólitas e sei lá...

terça-feira, janeiro 06, 2009

Filmes 2

Na verdade este post é do ano passado, eu escrevi, mas não publiquei. Agora vai!

Não deu para assistir o Rede de Mentiras, então deixa pra depois. Assisti o Transporter 3 (Carga Explosiva 3), é uma porcaria sem tamanho, as lutas tem tantos cortes que vira piada, a atuação é digna de filme pornô. Assisti também o Vicky Cristina Barcelona do Woody Allen, porra, o cara tá mudado, está fazendo coisas diferentes. O filme é ótimo, genial. A diferença é que o Woody Allen está mais pesado, com menos humor. As suas histórias agora é sobre assassinato, suicídio. Espero que venha mais filmes como este e como o Match Point.

Continuando aquela minha salada de críticas que comecei em outro post. Wall-e é legalzinho, tem um final ridiculamente otimista, mas tudo bem, é da Disney. LEnfer (Inferno) é legal. Rambo 4 é tão ruim quanto o Transporter 3, talvez Sylvester Stallone seja tão burro quanto a sua deficiência faz parecer, apesar de eu preferir pensar que atrás daqueles músculos há um homem sem sorte. There Will Be Blood (Sangue Negro) é muito bom, apesar que aquele pastor poderia ter sido melhor realizado, e tem uma estranha quebra na história perto do final. Superbad eu gostei bastante, gosto destas comédias de adolescente. No Country for Old Men (Onde os Fracos Não Têm Vez) é muito muito bom também, é um faroeste em uma época mais recente. Juno é quase bom, a personagem principal faz o filme, o roteiro ficou fraco. "4 Luni, 3 Saptamani si 2 Zile" é ótimo, filme pesado, sobre aborto. O Cheiro do Ralo é bom também, não sei se o Selton Mello foi uma boa opção para o personagem, mas talvez é besteira da minha cabeça. La Faute A Fidel (A Culpa é do Fidel) é ótimo, o tema lembra O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias, mas aquele é muito melhor, na verdade eu nem gosto deste filme brasileiro que não falarei o nome aqui por ser muito comprido, tudo bem, falarei, O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias. Dans Paris (Em Paris) é bom também. Speed Racer é bom também. Documentário do Bukowski é bom também. Cronicamente Inviável não sei o que dizer, não é muito bom, mas tem algo de bastante certo em algum lugar ali, talvez sejam as atuações que estão estranhas, não sei. Das Leben der Anderen (A Vida dos Outros) muito bom, ótimo. Iron Man, bão também. Meu Nome Não e Johnny não devia ter este título, o título trás uma expectativa que não bate com o filme, que é um drama sobre drogas. Natural Born Killers, bom, é tipo as coisas do Tarantino, o roteiro é dele aliás. The Wind That Shakes The Barley, bom. 3:10 to Yuma (Os Indomáveis - 2007), lixo, grandes atores e tudo mais, mas é um lixo sem nexo. Hitman é fraco. The Heartbreak Kid é legal, deve ser legal. Acho que não valeu a pena você ter lido este parágrafo. Você não tem mais o que fazer?

E fora este monte de filme que ví de uns meses para cá, tem outros filmes, alguns documentários, vários filmes mais antigos, clássicos e alguns filmes que assisti “fora de casa” (não se preocupe se não entender o que eu quis dizer com isso). Então note aí: Vicky Cristina Barcelona, Match Point, There Will Be Blood, No Country for Old Men, "4 Luni, 3 Saptamani si 2 Zile", Das Leben der Anderen.

6 comentários:

brasil disse...

Realmente tenho assistido a poucos filmes...
Desses que você citou, gostei bem do "Sangue negro" e do "Onde os fracos não têm vez" . "Juno" parece que não desenvolve, sei lá. "O cheiro do ralo" é bom, e eu gostei do Selton Melo interpretando o cara mais seboso que se poderia pensar, bem legal. Foi os que vi.

Ah, faz duas semanas assisti ao "O último rei da Escócia", gostei muito. O negão fez juz ao prêmios pela atuação, e o enredo me pareceu legal.


Tenho que pegar os filmes com você ainda, afff.

Luiz Felipe Leal disse...

cara isabela boscov,
você realmente crítico bem otimista, eu anotei mtas de suas dicas mas discordo mto de algumas. Vicky Cristina Barcelona é realmente mto bom, é um Woody Allen bem Almodóvar, né? There Will Be Blood e No Country For Old Men são horríveis se a questão for o roteiro, só valem pela atuação, fotografia, direção, maquiagem, figurino e tudo mais, menos pelo enredo. A Culpa é do Fidel pra mim é o melhor, sem comentários (não me sinto crítico).

Mas vc tem se saído bem, gosto dessa parte d efilmes, faça mais vezes. Gosto ainda de ler a forma de diário, é algo que eu tento fazer, mas num caderno, não no blog, vc sabe.
Bem, também, aop contrário de vc, não que isso seja necessário, eu deixo comentários. Acho que é saudável (e vc tem isso para sua nova vida-saúde) mostrar para a pessoa que vc passou por ali e está disposto a interagir.
Aproveite então que está menos "sizudo", e critique o meu blog às vezes. Sem licenças poéticas e acertos gramaticais, é claro.

É só.

Ah! Por falar nela (na licença poética) no trecho: "(...) com menos humor. As suas histórias agora é sobre assassinato,(...)" o certo não seria "suas histórias agora SÃO..."?

um abraço largo de novo ano.
até,

Luiz Felipe Leal disse...

pus entre aspas pq não tinha certeza nem se existia.

um abraço.

Luiz Felipe Leal disse...

hahahah!
e vc já quebrou o trato logo na primeira correção, deixando mil recados. (que é pra tirar o atraso)

gostei do crítica exclusiva. mas vc ainda me corroi um pouco (nada menos 'viril' como vc disse).

é, pra mim, não há nada de 'viril' naquele filme de caubóis.

um abraço.

p.s.: o itálico é pq 'fragilíssimo' na verdade não existe, mas eu quis usar. o certo seria 'fragílimo', mas não me convencia, é como querer falar 'magrérrimo' ou 'amiguíssimo'. eu quis.
bem, vc ainda só sabe falar sobre vc, e é a última vez que eu falo algo nesse post.

até mais.

leitora(cinéfila, ora bolas!)) disse...

lovely LÉO...que bom que faz questão dos coments (que gentil)!
mas vamos lá: conhecedora que sou da obra de Woody Allen devo dar o meu veredicto-sermão, disfarçado de pitaco. Woody Allen é simplesmente "o cara", conhecedor da alma humana e seus relacionamentos,o humor dele é algo assim tão refinado e incrível que não é para as massas, não mesmo, enfim.. Vicky Cristina é de chorar de rir (penélope cruz está impagável), e sobretudo um filme para se pensar sobre o "amor"..hehe. Enfim...
I love Woody... and my name is Vichy!!!!!

Anônimo disse...

Aprendi muito