Desventuras insólitas e sei lá...

quarta-feira, janeiro 28, 2009

Bom dia!

Bom dia amigos desse blog falido, muito divertido seria se eu continuasse com rimas, mas eu não sou divertido. Então, nessa falta de inspiração, vamos cantar uma canção. Do que estou falando? As pessoas vão pensar que eu sou alegre e feliz se eu continuar a falar loucuras como estas. Tenho que mudar para loucuras pesadas, irônicas, tortas e perdidas.

Estou com medo, de acabar a inspiração e não conseguir manter o blog com vários posts semanais como eu tanto gostaria. Eu fiz um dia desses uma poesia extremamente boa, ela certamente está entre as melhores poesias já escritas em língua portuguesa. Se todos pedirem em coro que eu publique essa poesia que é uma das coisas mais perfeitas, simétricas e malucas e sem rumo já feitas na face desse planetinha poluído eu talvez publique. E talvez eu publique se ninguém pedir também. Tudo depende de mim, que sou o Todo Poderoso do meu blog.

Vamos continuar falando assim mesmo, sem inspiração e sem direção. Estou comendo uma maçã, ela está muito saborosa, apesar que está levemente macia. Acordei tem menos de uma hora, ou seja, acordei pouco tempo depois da uma hora da tarde, ou seja, acordei bem mais cedo do que de costume, ou seja, eu geralmente acordo pouco antes de anoitecer. O tempo hoje está friozinho, o que é bom, começou a chover agora, será que a chuva vai aumentar? Escrever, escrever, o que escrever? Vejamos, pensemos, escrevamos! conjugação é complicado, acho que vou usar este padrão ortográfico alternativo, vou usar virgulas adoidado, e não vou usar letras maiúsculas, e vou usar vários ês, e outras maluquices, e vai ficar uma merda, mas vai ficar bom - apesar de tudo, ainda posso usar alguns pontos finais, é claro, quando me parecer adequado - (risos) os letrados burgueses que pouca intimidade têm com a língua não devem estar entendendo nada do meu estilo, alguns podem inclusive estarem nervosos comigo. que droga! o edinho tá me enchendo o saco dizendo que eu estou pagando pau para o lindomar, mas eu gosto do que ele escreve. merda, e este texto em alguns pontos lembra os dele, sei lá, merda! está vindo aquele arrependimento e vergonha suicida, droga! tudo bem, acalma leonardo! qual o problema? não há problema algum! passou, passou...

olhem, leitores, essa poesia de autoria do lindomar, que coisa interessante:

OS NÁUFRAGOS
José Lindomar Cabral

... sou um náufrago: uma aquática criatura que escreve,
um amontoado de palavras aquosas aglutinadas
em estado sólido, um misto de barro modificado,
transformado em carne, H2O em estado líquido,
alma, vulgo intelecto e Assopro, porém também
sinto-me como um peixe geneticamente aperfeiçoado
a nadar nas águas etéreas e turbulentas
- etéreas, mas águas ainda e assim mesmo –
desses oceanos Desatlânticos e Impacíficos,
oceanos estes que os desavisados
(que nem sabem, coitados, que são peixe)
denominam sonambulamente de Tempo e Espaço...

Um comentário:

Rafael Mendonça disse...

Vírgula é para os fracos!