Desventuras insólitas e sei lá...

quinta-feira, janeiro 01, 2009

Réveillon


Era dia 31 de dezembro, era ontem, quase noite, e eu estava lendo rápido porque tinha prometido para mim mesmo que terminaria aquele livro em 2008. A leitura estava muito difícil por causa do sono. Depois que terminei de ler pensei em dar o bolo em todos e dormir, tinha ninguém aqui em casa e eu talvez só fosse dar uma acordadinha por causa dos fogos a meia noite e depois voltava a dormir. Seria uma virada de ano memorável, fabulosa, mas a consciência pelo MSN me dizia que eu precisava me animar, que não posso passar o réveillon sozinho, que isso é degradante. E como não há livre arbítrio, eu não passei o réveillon na minha cama. O Felipe chegou, eu me arrumei e fomos ao Edinho, ficamos lá um tempo e decidimos ir para Pirenópolis. Por volta de 11:30 estávamos saindo daqui, a virada foi na estrada e não conseguimos festejar direito, isso porque não tínhamos champanhe, estávamos no carro, não havia fogos e cada um de nossos relógios discordava vários minutos dos outros relógios. Você acha isso degradante ou fabuloso?

Tinha a rave que os meninos estavam falando, mas estou velho, não tenho mais saco para porcaria. Estou cansado de muita coisa. Estou cansado até de bebida vou confessar, bem que eu tenho confessado isso o tempo inteiro. Meu corpo está fraco, tenho que começar a dar o bolo no povo. Precisava de uma namorada, onde será que eu arrumo uma? Tenho que comer mais legumes, fazer exercícios, começar a ouvir música idiota, rir do Zorra Total, ganhar muito dinheiro e ter mais paciência com filas.

5 comentários:

Polly disse...

isso é fabuloso!!

Luiz Felipe Leal disse...

vc já tem feito isso.
fato é que eu nunca mais te vi, e isso prova que eu também sou passível de um destino como seu. ISSO, é fabuloso ou degradantemente fabuloso?

José Lindomar disse...

Leo, seu filho da mãe, você nunca me falou sobre esse Blog, seu Blog, seu grandisíssimo filho da mãe, "filho da mãe", virgula, depois dessa vou ficar suspeitando por um tempão que você é mesmo é filho da outra...Como pode esconder de alguém que gosta tanto, aberta e explicitamente, dos seus deprimidos, estranhos, inusitados, ressentidos, indatáveis, etc., etc, etc. e engraçadíssimos escritos algo tão substancioso e corrosivo como esse Blog...? Ah, seu...

José Lindomar disse...

Sobre o que escreveu, obviamente de maneira genial, a respéito da passagem do ano, acho "tietemente" as 2 coisas - degrandantemente fabuloso...

José Lindomar disse...

Sobre o que escreveu, obviamente de maneira genial, a respeito da passagem do ano, acho "tietemente" as 2 coisas - degrandantemente fabuloso...