Desventuras insólitas e sei lá...

quinta-feira, maio 28, 2009

Não Acredito em Deus


imagem por night86mare
Eu não acredito nesse Deus que o povo fala. Esse Deus dos panteístas e dos agnósticos. O Deus dos relativistas é uma desculpa esfarrapada para otimismo desconcertante. Se existe um Deus, ele não pode ser essa energia raquítica e microscópica, nem essa força desajustada e vulgar. Se Deus existe ele deve brilhar, ele deve ser poderoso, ter gosto, ego, vontade, amor e até raiva. Esse Deus inevitável, mas mais fraco que uma mosca e mais chato que Domingão do Faustão deve ser abolido. Preciso de um Deus de verdade, que honre o nome. Contudo também não acredito nesse Deus anedótico dos cristãos. Esse Deus que faz mágicas de aniversário e ouve as preces dos idiotas. Talvez para Deus a única virtude aceita seja acreditar, mas ainda assim o único ato racional seria não acreditar. Se Deus é a grande antítesa, o grande paradoxo, só há uma resposta, um outro grande paradoxo, o ateísmo, o verdadeiro ato de coragem e força do homem limitado, mas ainda assim artista.

quarta-feira, maio 27, 2009

Cimento de Homem

O homem é de cimento
E é cinza
Cimento, areia, água, mãos e ar
Cimento é feito de onde se tira cimento
Cimento é feito de abismo
De chão sem chão
De matéria que se vai
De coisa que cai e não acorda
E o chão é desejo
E é lua
O chão, morte e parto
A morte tem cheiro de manhã
Cai a noite e ela tropeça
Nos chinelos que cultiva
Chuva vai e crê
Chuva ama e cria
Em um modelar que não vem
Que sempre não
Acima de mim
Abaixo do abismo
Distante aqui
Cimento é areia e mar
Cimento ladra e não morde
Cimento se mente
Se mete de homem
Sim e homem
De vento
e nunca

Sobre Amar o Mundo

Fiz essa poesia e não sei o que acho dela, diga alguém.
A vida não é fácil nem difícil
O mundo não é bom nem ruim
Mas eu os amo completamente
pois esta é a natureza do amor.

Há quem veja as coisas como elas se mostram
e ame obedecendo ao amor.
Eu, vejo as coisas como as vejo
e as odeio porque as odeio.

domingo, maio 24, 2009

Eu Sou


imagem por wolfhound
Seria muita arrogância dizer que não sei quem sou eu. Eu sei e sei como ninguém nesse planeta sabe, conheço cada intimo segredo meu. Mas quais seriam esses segredos? O que se esconde atrás desses trejeitos, tons de voz, pele, expressões faciais, barriga, roupa, genialidade e bom humor? Sim! Eu. Eu estou aqui, moro aqui dentro e tenho a mim como minha propriedade total e irrestrita. Não tenho medo de dizer para quem quiser ouvir: eu sou! Eu sou. E não há Deus que irá me convencer que eu apenas quase seja! Eu sou.

sexta-feira, maio 22, 2009

Sonhos

Ontem eu vi um homem obscuro no meu quarto, acordei gritando, provavelmente viera do submundo. Me senti um tolo, mas não consegui dormir novamente. Hoje eu vi um pequeno homenzinho com roupas estranhas, desta vez fui corajoso e joguei um travesseiro nele sem medo das conseqüências negativas que isto poderia resultar.

quarta-feira, maio 20, 2009

Futuro

Chegamos no futuro, depois de tanto tempo, finalmente o futuro! Os carros são rápidos, baratos, e em um pequeno disco cabem milhares de músicas. Usamos video-conferencia, temos internet ilimitada e de alta velocidade em casa, carregamos um comunicador portátil para todo lugar que vamos. Esta década certamente não foi a década da música, ela foi a década da informática, a banda larga mudou a nossa vida. Minha mãe acessa a internet todo dia, ela trocou a TV pela internet, e ela certamente foi a última a fazer isso aqui em casa. Comprar pela internet está se tornando algo comum, imagino que daqui mais uma década podemos deixar de ir ao supermercado. E a pirataria corre solta. Tenho mais de cem filmes no computador e mais de duzentos albuns de música. Os direitos autorais precisam ser revistos, não me parece coerente e nem justo proibir o compartilhamento de música e de filmes pela internet. Esse assunto é complexo e ainda vai fazer muito barulho, tenho certeza. É estranho como essa década passou rápido. Não consigo concluir esse texto! Quem sabe mais tarde eu consiga!?

terça-feira, maio 19, 2009

Caros Leitores

imagem por marcelgermain

Ora, ora, é preciso que eu deixe de frescura e não espere mais de braços cruzados a inspiração chegar. Vamos deixar de preguiça e trabalhar. Há muita coisa que eu ainda não disse. Ah! Ah! Quantas aventuras já vivi neste blog tão jovem! Escrevi com tucanos, matei alienígenas com peidos, sofri a depressão de ter duzentos anos e fui esmagado pelo peso da cerveja diária. Tudo verdade, mas sobre a ótica da mentira, meus maiores sofrimentos. Agora sim, cheguei, agora sou, estou, escrevo, sem medo, digo, aqui sou, eu escrevo, e isso é uma grande felicidade! Penso em todos aqueles que não escrevem, não pintam, não brincam com massinha, não criam piadas, não sofrem agonia, não pensam em suicídio, não fumam crack, não moram em um quarto mofado, não vomitam palavras, não conhecem a internet, nunca foram a escola, nunca olharam para o céu, nunca tropeçaram, nunca estupraram crianças pobres em noites sem lua, nunca chegaram tarde em casa, nunca xingaram Deus em público, nunca escalaram o Everest, nunca viram um pneu, nunca pularam do edifício... Essas pessoas, que não fizeram as coisas, e nada foram senão coadjuvantes no filme da vida, estas sim são as verdadeiras pessoas, as pessoas de fato, as pessoas que quando digo pessoas estou dizendo, as pessoas que Deus escolheu como suas. Ahh!!! Caros leitores, será que vocês ainda acham isso, que é fácil fazer o que faço e que vocês entendem minha intenção? Por que pensam isso logo de mim? Será que não é óbvio que eu não sou tão simples quanto os outros escritores?

sexta-feira, maio 15, 2009

Rotina Noturna

Letras, vírgula, letras, pronto, comecei de novo! Que situação insuportável! Bem que de certa forma...

São onze horas. Estou ouvindo Nélson Cavaquinho. Que cara maluco! No passado todo mundo era maluco! Hoje também! Porra! Vamos tentar mais uma vez.

Sabe quando ficamos sem inspiração? Então! Que saudade de defender o ateísmo, ser pessimista, odiar a todos! É fácil ser considerado inteligente, é só ser pessimista. Hoje sonhei que tinha um monte de dinheiro na minha carteira.

Ontem saímos e eu falei pro Edinho que não ia ajudar na conta. Que cara folgado! Eu estou morrendo, fraco, minha visão está embaçada, costas ruim, acho que estou nos meus últimos dias. E isso por causa do tanto que tenho bebido, é todo dia, toda hora, todo dinheiro que chega no meu bolso vai embora pro bar. Mais cedo ontem eu tentei fazer umas abdominais e quando levantei deu um negócio estranho na barriga. Na hora pensei, é o infarto, eu vou morrer! Não agüento mais, fisiologicamente dizendo. E o Edinho, que é um velho guerreiro da boemia, não me deixa desistir. Cretino, maldito, eu estou morrendo, porra! Então ontem não ajudei na conta, depois dormi e sonhei com uma carteira recheada. Era assustador, tão esquisito, mas era bom também, dinheiro pode comprar muitas coisas hoje em dia! Antes eu pensava que tinha uns cinqüenta conto, fui olhar direito a carteira e tinha várias de cinqüenta, tinha até uma de cem.

quarta-feira, maio 13, 2009

Morto

Cada dia que passo morro, não, não estou falando dessas mentiras que os médicos contam, estou falando da realidade, eu estou morrendo, estou apodrecendo, deixando de existir. E vocês também. Estão todos marchando para o esgoto a passos largos com a cabeça lotada de tolices. Não estou falando de uma dádiva, ou de alguma beleza na inevitabilidade. Estou falando da cerveja, da televisão, dos vírus, da gripe suína, da preguiça, da vingança, do ódio divino. Morte não é uma afirmação da vida, não é um elogio ao vento, e muito menos um raio de luz. A morte é o coco, a morte é o xixi, a morte é câncer na poesia. E só está morrendo aqueles, que como eu, nasceram e disseram não a tudo aquilo que era esperado um sim, desafiaram e ridicularizaram o livre arbítrio, e enxergaram o que não era permitido. Sim, todos vocês, que procuram respostas onde só há poesia estão fadados a morte, ao buraco escuro dos anônimos. Todos vocês que mancam, tossem e a cada dia se sentem mais fracos, todos vocês estão fadados ao anonimato. Sei o quanto morto estou, e o quanto todos estão, posso ouvir o vazio no fim da linha...

A Compreensão

Claro que me sinto constrangido de falar como tenho falado. Mas sinto que é preciso! Vocês acham que estou sendo repetitivo? A repetição é a única forma de retórica dizia Napoleão. Muitos gostariam que o narcisismo diminuísse na minha escrita. Isto não irá acontecer! Ah, vai sim, essas coisas me cansam também. Bem, bom dia a vocês! Esquecia de dar bom dia! Estou sentado pensando na minha, minhas questões, bem, é preciso que ando vivendo de forma que, morrer a cada momentos, assim. Tudo ao mesmo tempo! Estou cansado de sentir a totalidade das fraquezas fedorentas dos indivíduos que me rodeiam nas quartas-feiras no msn e nas lavanderias dos nossos corações podres e pobres, sem respeito, sem visão, perdidos na idiossincrasia de cada vírgula vazia, perdidos na escuridão da noite morna. Vou mudar, preciso mudar, preciso me acalmar, pronto, estou completamente diferente, completamente do jeito desejável, do modo nobre, distinto, correto, reto, direito. Que vontade de sair com uma metralhadora na rua e atirar na cabeça de todos os mosquitos que transmitem dengue. Aqueles bastardos malditos! Hehehehe! Que engraçado! Engraçado respirar nas quartas-feiras depois no almoço, dizer bom dia e falar sobre a noite morna. Só estou tentando ajudar! A compreensão que todos desejamos virá, ela chegará em uma carruagem puxada por musculosos e joviais anjos gays. Fim!

domingo, maio 10, 2009

Os Olhos da Natureza

Não acredito em nada disso. Nada que foi dito ou que é dito. A vida é outra coisa, a vida é uma substância líquida, esverdeada e tem cheiro de isopor. Caminhando pela praça certa noite vi uma coruja me olhando com aqueles olhos de coruja. Isso muito me disse sobre a condição do ser humano frente a uma coruja em uma praça a noite. Aqueles olhos diziam: sim, sim, caro sonhador, estou aqui, eu existo e sou um olho de coruja.

Alguns dias atrás um outro fato interessante me ocorreu. Eu estava passeando pelo bosque colhendo aspargos e tomates quando uma cobra chocalhenta levantou o pescoço como se preparasse o bote e me encarou. A sua face estava na altura da minha e ela foi chegando perto, perto até ficarmos olho a olho e a poucos centímetros de distância um do outro. Então eu tremendo de medo a perguntei: o que você quer de mim? E ela me respondeu: a realidade vai te pegar ainda, meu jovem! E sumiu rapidamente sem deixar rastros.

É engraçado essas coisas que acontecem! Quando menos se espera um fato fantástico vem, nos deixa perplexo e depois nos abandona. Como alguém pode acreditar em Deus sendo que vivemos em um mundo tão fascinante? Acreditar em deuses é um desrespeito à Mãe Natureza.

quinta-feira, maio 07, 2009

Constrangedor

Dizer, dizer, dizer... Acho que ninguém entendeu bem o que eu quis dizer com meu texto anterior. Acho que ninguém nunca entenderá, também eu nunca entenderei. O existir é assim, meio constrangedor. E daí vem a obrigação de ser um poeta constrangedor, é um trabalho de denúncia e de honestidade.

Viver está cada dia mais difícil. Aqui em casa não tem filtro, tenho bebido água da torneira. O chuveiro não funciona. O forno está estragado. O fogão também. A geladeira. O carro e o portão foram consertados anteontem. Minha cama faz barulho insuportável, tem o mofo do meu quarto. Tenho bebido muito, fumado um tanto, comido muito pouco, sentido muita preguiça e desanimo. Hoje é quinta. Tenho celular novamente. Preciso tirar o passaporte, não vai dar tempo. Mas o que me estressa de verdade são as dívidas e a velhice. Viver está cada dia mais difícil!

Quanto será que custa sair da vida com a consciência limpa? Quanto o diabo me pagaria pelos meus dois braços? Hoje é quinta, chegarei tarde em casa, hoje veremos policiais, confusão e sujeira, precisamos comprar cigarro, a vida é boa!

quarta-feira, maio 06, 2009

Navegar é Preciso

Navegar é preciso, viver não é preciso! Hoje é dia de morrer, de se jogar nos vícios e mentiras. Fumar um cigarro e dizer tudo que precisa ser dito a todo momento para sempre até o início sem medo de arriscar e enlouquecer. É preciso reforçar. Hoje é e sempre será passado, mas sempre será eterno, custe o que custar. Não sejamos inocentes, o inimigo caminha por aí, passos silenciosos e fedendo enxofre. Tudo, absolutamente tudo que é necessário é preciso. Mesmo porque ninguém quer saber o que você pensa sobre a vida e sobre a morte. Respeitem meus cabelos brancos, isto não é o que você está pensando. Navegar é preciso, viver não. Espere.

Um novo parágrafo. E não me analise, não agora, espere um momento, agora sim, estou pronto, saia daqui, quero te ver mudo, fale o que quiser! Se sim então por que não dizer logo? Vamos aos pontos, do começo, até o fim, sejamos diretos, concisos e belos. Altamente poéticos... Com uma arma na mão e óculos Ray-Ban! Mais uma dose, mais um sonho louco, por favor, humanos no espeto, me mostre um pouco de violência, me tragam um microscópio! Não, não vou tomar banho, hoje é dia de dormir, estou cansado, preciso morrer, hoje em dia as coisas andam estranhas, pateticamente chorosas. Vamos continuar, não paremos por aqui, vamos um pouco mais adiante, existem coisas que ainda não ficaram claras e belas.

sábado, maio 02, 2009

sexta-feira, maio 01, 2009