Desventuras insólitas e sei lá...

sábado, abril 24, 2010

O Cheiro do Ralo

As coisas fazem sentido. Certo? Não leia este texto se ainda não tiver assistido O Cheiro do Ralo. Em O Cheiro do Ralo Lourenço recebe sua energia da bunda, mas para ver a bunda é preciso comer o sanduíche da lanchonete onde a dona da bunda trabalha, o sanduíche vira merda e causa o odor ruim do ralo. Lourenço é o dono de loja que compra objetos usados, Lourenço é interpretado por Selton Mello, Selton Mello é produtor associado, o filme é baseado em um livro que se chama O Cheiro do Ralo, o autor do livro se chama Lourenço, o autor atua no filme como segurança da loja. No mundo só existem coisas, mas nós personificamos as coisas, criando assim deuses e amigos. Se você alimenta seu cachorro todos os dias, ele vai desenvolver um afeto por você. Ele vai gostar de você como se você fosse um fim em si, mas isto é uma tolice do cachorro, pois você não é um fim e sim um meio para conseguir comida. O cachorro personifica você, ele gosta de você, você é só uma coisa que leva comida, ele não sabe. Lourenço compra uma bunda e assim a coisifica. O que seria coisificar em excesso uma coisa? As coisas não deveriam ser de fato consideradas coisas? Deveria Lourenço personificar? É preciso um sistema que diferencie coisificar, personificar, deixar queto, nada ser, etc. As coisas só fazem sentido se estiverem em um arranjo. O cheiro do ralo vem do Lourenço por que ele usa o banheiro. É a merda que é uma merda. E o ralo é o portal do inferno. As coisas tem história, Deus criou o mundo, mas foi o homem que tornou o mundo confortável. O homem é o Deus do conforto. O lixo é bom. O homem criou o lixo para ocupar os desocupados, distrair esta gente toda. O homem que queria vender o relógio do professor Soran diz de forma dura ao sair sem realizar o negócio "se a oportunidade é desperdiçada a sorte cerra suas portas". O mesmo homem volta um tempo depois, Lourenço bate nele e o incrimina de assalto a mão armada. Seu sonho pela bunda é incoerente, mas mesmo assim ele o realiza. Pelo menos é o que parece. A vida é incoerente. A voz na secretária eletrônica é do Pereio. Este cheiro que você está sentido vem do ralo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Esse filme me excita.