Desventuras insólitas e sei lá...

terça-feira, abril 19, 2011

Rasgo

Quando o que você acha que é tudo deixar de ser
Quando o mundo desmorona
Não é porque você acabou de vencer
Ou que você tenha caido finalmente
Quando a rachadura vai da Rússia a Portugal
Você não tem nada a ver com isso
Há acontecimentos e acontecimentos
Sobre acontecimentos e muitos outros mais
De tantos e tão grandes
Que se pode dizer certamente: é muito
O fim do mundo não é um evento
O fim do mundo é um universo de eventos
Interações e conflitos que não cabem na literatura mundial
E não é com você
É o mundo que desaba
Não foi sua culpa ou seu mérito
As moléculas se unem e se arranjam
E às vezes elas ficam de mal e se afastam
Porque é assim e só por isso e nada mais
E era de se esperar que você nem estivesse lá
Mas se lá estiver
Um drama gigantesco e outros milhares
Coisas que não se merece
E tudo é indigno
E será somente um pedaço do rasgo do mundo
Da imensidão que nunca foi grande coisa para ninguém
Se comparada com o quanto é imensa
E você fechará os olhos
E tapará os ouvidos
E ouvirá coisa que nunca se ouviu
E verá o que não sabia que se poderia ver
Quando o planeta se espalha pela galáxia
E a vida derrete em não há mais
Não interessa
Não interessa

Nenhum comentário: